Hitachi reforça presença em Portugal com contratação de cem pessoas

0
11272

Grupo japonês instalou em Lisboa o centro de excelência de análise de imagens para toda a Europa.

Negócio tem tido “momento positivo nos últimos dois anos”, graças ao grande aumento dos serviços de consultoria

A Hitachi Consulting, uma das dez maiores consultoras do mundo, está a reforçar a aposta em Portugal. A empresa japonesa de tecnologia vai praticamente duplicar a força de trabalho neste ano em território nacional, com a contratação de cem pessoas. E escolheu Lisboa para instalar o centro de video intelligence, que vai analisar as imagens recolhidas por vários dispositivos e dar suporte a toda a região EMEA (Europa, Médio Oriente e África). O sucesso do país na área tecnológica justifica o reforço da empresa japonesa instalada em Portugal desde 2006.

“Estamos a viver um momento extraordinário em termos tecnológicos e a Web Summit ajudou-nos. As pessoas que temos cá são ávidas em fazer coisas novas. É incontornável e não há como não o sentir”, destaca Constantino Almeida, responsável de serviços de consultoria da Hitachi em Portugal.

A empresa japonesa vai recrutar cem pessoas para a área de sistemas de informação, para funções de consultoria e gestão, com diferentes níveis de experiência. Atualmente, a Hitachi Consulting dá emprego a 130 pessoas. Os novos funcionários do grupo vão tratar do “desenvolvimento de software e de algoritmos especializados, como, por exemplo, machine learning”.

O investimento nacional da Hitachi Consulting não fica por aqui. O grupo japonês investiu meio milhão de euros no final do ano passado para instalar em território português o centro de excelência para video intelligence, único na Europa, e um dos três instalados a nível mundial, além do Japão e dos Estados Unidos.

Este departamento tem impacto na vida dos cidadãos, porque envolve o desenvolvimento de soluções de negócio para a inovação social que podem ser utilizadas por organismos públicos e empresas. A tecnologia desenvolvida nos escritórios da Hitachi em Portugal será cada vez mais útil para o crescimento do conceito de cidades inteligentes (smart cities).

“Podemos ajudar a resolver um problema de congestionamento na cidade de Lisboa. No Bairro Alto, se conseguirmos antecipar um grande fluxo de pessoas, é possível atuar, e não só na perspetiva das pessoas que lá moram. No caso de acontecer um incidente, é muito mais fácil agir”, exemplifica Constantino Almeida, em entrevista ao DN/Dinheiro Vivo.

Outro caso prático ocorre em Itália. A Hitachi está a trabalhar com uma cidade que recebe bastantes turistas e quer controlar o número de pessoas que entram todos os dias para garantir a segurança dos visitantes, e dos habitantes, assegurando um impacto mínimo na qualidade de serviço prestado pela cidade.

As imagens captadas são analisadas com recurso a várias tecnologias utilizadas nos veículos autónomos, como sensores 3D e Lidar (deteção remota de objetos com laser pulsado), que trabalham em conjunto com a inteligência artificial e que permitem medir a velocidade e o fluxo das pessoas.

A Hitachi garante que as imagens captadas não representam qualquer perigo para os cidadãos: “As pessoas são pixelizadas para garantir a proteção da identidade.”

A recolha de imagens da Hitachi Consulting não serve apenas para avaliar fluxos de tráfego em espaços públicos movimentados. “Se houver um incêndio, graças aos sensores 3D, é possível adequar a intervenção ao número exato de pessoas que estiver dentro de um edifício. Se uma pessoa passar por debaixo de uma grua, podemos acionar meios para evitar incidentes com essa pessoa”, destaca o mesmo responsável.

A escolha de Lisboa para acolher este centro de video intelligence terá ficado fechada no final do ano passado, segundo Constantino Almeida. “O nosso diretor do departamento de dados [chief data officer] esteve cá durante a última Web Summit, em novembro, e foi durante a cimeira que deixou de ter dúvidas sobre a escolha de Portugal para instalar o centro de excelência.” Além disso, o negócio no país “tem tido um momento muito positivo nos últimos dois anos”, adianta.

O grupo japonês diz que “há uma procura muito grande por parte dos clientes para ter esta tecnologia”. O que vai levar à ampliação da equipa dedicada a este centro “no espaço de um mês”.

Esse reforço da força de trabalho está dependente de um novo investimento, “superior a um milhão de euros, para contratar engenheiros, matemáticos e físicos”.

https://www.dn.pt/dinheiro/interior/hitachi-reforca-presenca-em-portugal-com-contratacao-de-cem-pessoas-9097581.html

COMPARTILHAR